Publicidade

domingo, 2 de março de 2014 Cinema, Oscar | 18:00

15 Caras mais surpresas na revelação dos vencedores do Oscar!

Compartilhe: Twitter

chamada2

Entre todas as 24 categorias do Oscar, as mais esperadas são as 4 de atuações (Melhor Ator, Atriz, Ator Coadjuvante e Atriz Coadjuvante) e a de Melhor Diretor.

Essas categorias se diferenciam ao mostrarem, ao mesmo tempo, todos os indicados durante a revelação do vencedor. A ideia de poder conferir a cara de surpresa do ganhador é sempre um espetáculo à parte. Mas nem sempre são os vencedores que fazem caras e bocas, os indicados e apresentadores, às vezes, não conseguem segurar suas expressões de perplexidade.

Fizemos uma longa pesquisa, e depois de assistirmos inúmeros vídeos da academia, definimos as novas (15) caras mais surpresas na revelação dos vencedores do Oscar.

Veja e divirta-se, abaixo:

1

Em 1998, “Titanic” era considerado o fenômeno do cinema – algo não sentido há muitas edições do Oscar. Anteriormente, o longa vinha ganhando muitíssima força nas premiações, mas nas categorias de atuação parecia não ter muita sorte. A favorita na categoria de Melhor Atriz – até aquele momento – parecia ser Helen Hunt por “Melhor É Impossível”, mas especialistas apontavam que certos votantes não seriam apoiadores de Hunt, pois ela fazia TV – um preconceito muito bobo, mas existente. Por isso, as outras 4 indicadas seriam beneficiadas com votos de vitória. E como “Titanic” vinha faturando tudo, Kate poderia ser favorecida com essa maré. Quando Geoffrey Rush anunciou que a vencedora tinha sido Hunt, a própria não conteve o choque e a descrença, assim como Kate Winslet que ficou meio boquiaberta. Após o Oscar, foi revelado que Kate ficou surpresa pelo fato de achar que Judi Dench por “Sua Majestade, Mrs. Brown” iria ganhar.

2

Em 1986, a atriz/diretora Barbra Streisand subiu ao palco para apresentar o vencedor de Melhor Diretor. Ao abrir o envelope, Barbra ficou exageradamente surpresa, mas gostou de anunciar que Sydney Pollack por “Entre Dois Amores” havia levado a estatueta. Porém, a surpresa inicial se sucedeu por alguns fatores… Existiam dois indicados concorrentes de peso: John Huston por “A Honra do Poderoso Prizzi” e Akira Kurosawa por “Ran”. O lendário Akira era o favorito de muita gente (essa foi sua única indicação ao Oscar de Melhor Diretor), e o filme era muito bom – contudo, a Academia em sua totalidade tinha (e ainda tem, né!) muita dificuldade de premiar diretores estrangeiros de filmes com língua 100% estrangeira.

 3

Em 1988, a atriz surda Marlee Matlin fez um grande esforço e revelou através de sua voz os indicados ao Oscar de Melhor Ator, e por fim o vencedor… Michael Douglas por “Wall Street – Poder e Cobiça”. Apesar de grande parte da crítica já prever que Douglas iria ganhar, Jack Nicholson fez questão de mostrar descontentamento em sua face ao ver que perdeu. Entre os indicados, Jake vinha com o papel mais dramático e típico do gosto da Academia com o longa “Ironweed”. Nicholson nunca escondeu o seu desejo de ganhar um terceiro Oscar, que só viria 10 anos depois com “Melhor É Impossível”.

4

Em 1999, Gwyneth Paltrow tapou o rosto com as mãos quando Jack Nicholson revelou que ela havia levado o Oscar de Melhor Atriz por “Shakespeare Apaixonado”, parecia que não acreditava. Com o passar do tempo, essa vitória se tornou motivo de polêmica e discussão entre os especialistas/cinéfilos. Além disso, os brasileiros não se esquecem desse ano por ter tido Fernanda Montenegro entre as indicadas por “Central do Brasil” – um feito incrível, ainda mais por um filme falado em português. Atualmente, muitos afirmam que Cate Blanchett por “Elizabeth” deveria ter vencido, ou qualquer uma das outras indicadas – menos Paltrow.

5

Em 1993, Emma Thompson estava varrendo as premiações e ganhando os prêmios mais importantes da temporada – ela era a favorita da categoria. Mesmo assim, ela mostrou uma face de total descrença com a revelação feita por Anthony Hopkins. Thompson acreditava que as suas concorrentes tinham mais chance que ela.

6

Ainda em 1993, Al Pacino seguia o mesmo caminho de Thompson, e era o favorito na categoria de Melhor Ator pela excelente atuação em “Perfume de Mulher”. Contudo, havia um certo clima de tensão, já que Pacino contabilizava 6 indicações anteriores e nenhuma vitória. Ele seria o novo Peter O’Toole (que até 1986 tinha sete indicações e nenhuma vitória)? Além disso, Pacino era indicado duplo, ele também estava concorrendo em Melhor Ator Coadjuvante por “O Sucesso a Qualquer Preço” – o que seria um fator negativo, pois os votantes poderiam distribuir muito de seus votos. Por fim, Jodie Foster revelou que Pacino era o nome do envelope. O ator ao saber do resultado transpareceu uma face de alívio, como se tivesse tirando um grande fardo das costas. O único indicado concorrente que mostrou descontentamento com uma expressão sombria foi Robert Downey Jr. pelo longa “Chaplin”.

7

Em 2010, acontecia uma disputa ferrenha entre os diretores de “Avatar” e “Guerra ao Terror”. Além disso, havia a expectativa de ter uma primeira mulher vencedora do Oscar de Melhor Diretor, e alguns ainda contavam com a possibilidade de Lee Daniels por “Preciosa – Uma História de Esperança” vencer – assim um novo marco seria feito, o primeiro diretor negro a ganhar um Oscar. Quando Barbra Streisand surgiu no palco para apresentar a categoria, houve comoção na internet, já que Streisand havia sido um nome recorrente (no passado) de que seria a primeira vencedora da categoria de Melhor Diretor (apesar da Academia sempre esnobá-la na categoria). No momento em que Barbra revela que “chegou o momento”, Bigelow fica boquiaberta.

8

Em 1962, apesar de a cerimônia ser televisada ainda não havia o quadro simultâneo de reações dos indicados. Mas os produtores já conseguiam pegar as primeiras reações dos vencedores. A atriz Shirley Jones veio ao palco e revelou que George Chakiris por “Amor, Sublime Amor” era o ganhador do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante. Chakiris ficou momentaneamente perplexo, e mal conseguiu agradecer no discurso de vitória. Ele achava que os seus concorrentes: Montgomery Clift, Peter Falk ou George C. Scott (que recusou a indicação da Academia) tinham mais chances de vitórias, pois o seu nome era desconhecido.

9

Em 2010, Sean Penn deu fim ao longo sofrimento que durava um mês, e revelou que Sandra Bullock era a vencedora do Oscar de Melhor Atriz por “Um Sonho Possível”. A própria Sandra não pôde crer que tinha vencido – a sua face congelou ao escutar o seu nome. Há quem diga que essa reação teria justificativa, pois esse ano seria um “revival” de 1999 (ano da vitória de Paltrow), onde todas as indicadas concorrentes mereciam vencer, menos a vencedora – seria um recalque ou verdade criada por essas pessoas? Especulações à parte, a principal rival de Bullock era Meryl Streep por “Julie & Julia”, que teve de esperar dois anos para ter sua terceira estatueta.

10

Em 1991, Daniel Day-Lewis apresentou a categoria de Melhor Atriz e revelou a escolha da Academia – que parecia mais aberta a papéis não tão comuns -, Kathy Bates por “Louca Obsessão”! A atriz fechou os olhos com descrença e surpresa. A vitória de Bates significava muito, era a primeira vez que a Academia premiava uma personagem tão sanguinária e louca. Além disso, as indicadas concorrentes eram bem fortes e com personagens mais “encantadores” – Meryl Streep por “Lembranças de Hollywood”, Joanne Woodward por “Cenas de uma Família”, Anjelica Huston por “Os Imorais” e Julia Roberts por “Uma Linda Mulher”. Bates disse: “me pareceu muito irreal ganhar” diante da disputada concorrência.

11

Em 2011, O lendário Kirk Douglas foi ao palco apresentar a categoria de Melhor Atriz, e conseguiu criar uma alta expectativa em torno do nome da vencedora, pois Kirk adiou três vezes a revelação do nome. Quando finalmente disse… Melissa Leo por “O Vencedor”, a atriz ficou chocada. Melissa era a favorita da categoria, mas depois de fazer algumas autopublicidades em uma revista (para que os votantes considerassem votar nela), os especialistas da temporada afirmaram que essa atitude poderia ter arranhado a sua imagem e prejudicando a vitória.  Mas não aconteceu.

12

Em 1974, os atores Susan Hayward e Charlton Heston apresentaram a categoria de Melhor Atriz, e ao revelarem a vencedora houve uma surpresa geral. A vencedora Glenda Jackson por “Um Toque de Classe” sequer compareceu na cerimônia – ela não era muito fã das convenções do Oscar. A maioria achava que ela não iria ganhar, já que não faziam nem 4 anos que tinha levado o primeiro Oscar na categoria (em 1971), por “Mulheres Apaixonadas”. Por isso, a expectativa era que o Oscar iria para Marsha Mason por “Licença Para Amar Até a Meia-Noite” ou Ellen Burstyn por “O Exorcista” – que ao perder mostrou sua face de extrema surpresa.

13

De volta em 1998, a categoria de Melhor Ator Coadjuvante estava bem disputada e todos esperavam a revelação que foi feita por Mira Sorvino. Normalmente, vemos caras de surpresa com a revelação de um vencedor, mas de puro descontentamento é bem raro.  O Oscar foi para Robin Williams por “Gênio Indomável”. O ator Burt Reynolds por “Boogie Nights: Prazer Sem Limites” – o rival de Robin na categoria e perdedor – não conseguiu esconder a sua cara de aborrecimento. Reynolds sabia que esse era o papel que mais o aproximou da estatueta, e foi até hoje a única indicação de sua longa carreira.

14

Em 1977, a atriz Louise Fletcher apresentou a categoria de Melhor Atriz e revelou que Faye Dunaway tinha vencido o Oscar por “Rede de Intrigas”. A própria Faye disse em seu discurso que não estava esperando vencer (apesar de ser uma das favoritas naquele ano), e a reação de aborrecimento de Talia Shire (indicada-concorrente por “Rocky – Um Lutador”) é uma prova de que também não esperava essa vitória. Shire é uma das poucas atrizes que mostrou explicitamente a vontade de vencer no momento da perda.

15

Em 1975, aconteceu o que se pode chamar de revés – um dia você perde e faz a cara de surpresa e em outro, são os seus concorrentes que fazem. O lendário Jack Lemmon apresentou a categoria de Melhor Atriz, abriu o envelope e disse: Ellen Burstyn por “Alice Não Mora Mais Aqui”. Podemos dizer que houve um efeito dominó de surpresa entre todas as indicadas, já que Ellen não era a favorita naquele ano e sim, Gena Rowlands por “Uma Mulher Sob Influência” e Faye Dunaway por “Chinatown” – que até conseguiram manter uma face sóbria. Ao contrário das super-surpresas concorrentes Diahann Carroll por “Claudine” e Valerie Perrine por “Lenny” (com a boca extremamente aberta). Burstyn não compareceu na cerimônia por ter certeza que iria perder, e ela já havia perdido em 1972 por “A Última Sessão de Cinema” (atriz coad.) e em 1974 (ano anterior) por “O Exorcista”. Então, ela disse que não iria estar no Oscar pelo segundo ano consecutivo e ser mais uma vez perdedora. No final, deu sorte essa falta.

Autor: Tags:

5 comentários | Comentar

  1. 55 Dan 02/03/2014 21:00

    Faltou quando a Juliett Binoche ganhou e a cara de descontentamento da Lauren Bacal (que era a favorita).

    RESPOSTA – Está na matéria do ano retrasado ou passado.

  2. 54 apolo junior 02/03/2014 20:26

    o vídeo da sua reação da Tilda Swinton está nesse vídeo aqui, bom trabalho galera do CETI : http://www.youtube.com/watch?v=w-BZnMYQM40

  3. 53 apolo junior 02/03/2014 20:24

    faltou a reação que a atriz TILDA SWINTON fez em 2008 ao receber o oscar de melhor atriz, ela nem era uma favorita e conseguiu a estatueta !

  4. 52 Jefferson Borges 02/03/2014 20:15

    HAHAHAHA Muito bom! 😀 A reação da Ellen Burstyn quando Glenda Jackson ganhou para mim é a melhor. A reação da Cate Blanchett quando a Marion Cottilard ganhou foi incrível também. E inesquecível mesmo foi o Samuel L. Jackson quando ele perdeu para Martin Landau melhor ator coadjuvante. Ele foi flagrado xingando pela janelinha. Ele disse ”shit”. haha Ideia genial quando criaram essas janelas para ver as reações dos indicados. Antes, quando não tinha, acho que os outros indicados não se empolgavam tanto em celebrar a vitória do outro. Como disse o Gene Hackman quando apresentou o Oscar para Anna Paquin: ”Quando eu abrir esse envelope, quatro talentosas indicadas, vão usar seus talentos como atriz para nos convencer que elas estão felizes em ver a outra levar o Oscar para casa.” haha Essa frase define todo o post!

  5. 51 Eduardo Pepe 02/03/2014 20:02

    No ano de Sandra Bullock, ela tinha outra grande rival, além de Streep, Carrey Muligan por Edução, que ganhou o BAFTA.

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.