Publicidade

domingo, 2 de março de 2014 Cinema, Oscar | 13:40

Vencedores do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante que interpretaram personagens reais!

Compartilhe: Twitter

logo

Esse ano na categoria de Melhor Ator Coadjuvante dos 5 indicados, há 3 personagens baseados em pessoas que realmente existiram.

capa1

Para os que não sabem, apesar da história “Clube de Compras Dallas” ser baseada em fatos reais, o indicado Jared Leto interpreta um personagem ficcional.

Sabe-se que a Academia tem uma queda em premiar performances de pessoas reais. Dos 85 vencedores do Oscar de Melhor Ator, 24 foram sobre homens reais. E das 85 vencedoras do Oscar de Melhor Atriz, 22 foram sobre mulheres de carne-e-osso.

Porém, nos últimos 76 anos de existência da categoria de Ator Coadjuvante, apenas 14 vencedores foram de performances sobre pessoas que realmente existiram.

Conheça os intérpretes vencedores e os interpretados reais, abaixo:

1

Joseph Schildkraut interpreta o Capitão Alfred Dreyfus que foi acusado de traição à monarquia por ser de origem judaica, o escritor francês Emile Zola se envolve no processo de defesa. O caso ficou mundialmente famoso pela clara injustiça e mentiras criadas durante o julgamento.

2

Apesar de muitos fatos do filme sobre o juiz Roy Bean serem bastante inverídicos, o longa mostra como o americano Roy Bean tinha poder no Velho Oeste, e como ele lutava entre os seus ideias e vontades pessoais. É considerada uma das melhores atuações de Walter Brennan, que ganhou o seu terceiro e último Oscar – foi num período de 5 anos que ele obteve as três estatuetas!

3

O filme conta a história de Emiliano Zapata através de fatos considerados ficcionais. Porém, os personagens reais foram retratados com máximo de pesquisa. Entre eles, Eufemio Zapata, irmão de Emiliano, que era conhecido por ser mulherengo, bruto e alcoólatra – e uma pessoa nada boa e extremamente violenta.

4

Quinn ganhou o seu segundo Oscar por interpretar outra pessoa real. Contudo, a sua vitória foi considerada polêmica na época, já que sua participação na tela não foi nem de 25 minutos. Quinn vive o famoso pintor Paul Gauguin, contemporâneo de Vincent van Gogh (protagonizado por Kirk Douglas), e mostra um pouco da relação entre ele e Gogh.

5

Ustinov teve a honra de participar do longa de Stanley Kubrick, e ainda ganhar um Oscar. O seu personagem que existiu por volta do século I A.C. era conhecido por ser um violento treinador e mandante de gladiadores. Lêntulo já foi interpretado e falado várias vezes no cinema e na TV.

6

O longa documenta um dos casos mais polêmicos envolvendo um presidente dos EUA, o escândalo de Watergate. Jason interpreta o editor executivo do jornal “The Washington Post”, ele é quem incentiva os repórteres investigativos a procurarem mais provas do envolvimento do homem mais poderoso dos EUA no caso. Bradlee se tornaria uma figura nacional durante a presidência de Richard Nixon, quando ele desafiou o governo federal sobre o direito de publicar documentos do Pentágono.

7

Robards ganhou o seu segundo Oscar! E consecutivo! E novamente por um personagem real! Robards faz o famoso escritor Dashiell Hammett (responsável por grandes obras, como “O Falcão Maltês”) e amante da escritora Lillian Hellman (personagem principal do longa “Julia” interpretada por Jane Fonda), que se vê envolvida no misterioso assassinato de sua melhor amiga Julia (Vanessa Redgrave). Dashiell torna-se importante peça como apoio de Lillian em todo o processo conflituoso.

8

A impressionante e terrível história baseada em fatos reais sobre o genocídio de milhares de cambojanos durante a ditadura em Camboja. Ngor – sua estreia no cinema – interpretou o jornalista Dith Pran, que foi testemunha ocular e sobrevivente dos “Killing Fields” (campos da morte) – termo criado por ele – que se referia aos grupos de cadáveres e restos de esqueletos de vítimas. Assim como Pran, Ngor foi também um sobrevivente do mesmo regime militar. Infelizmente, o ator foi assassinado em 1996.

9

Pesci interpretou o real gangster Thomas DeSimone. O filme tomou certas liberdades cinematográficas e modificou variados fatos – tantos físicos quanto históricos – sobre a vida do violento homem. O longa retrata muito bem o lado psicológico do personagem, já que Thomas era um terrível  assassino.

10

O querido Landau é o único da lista que pode se orgulhar de ganhar um Oscar por interpretar um ator que realmente existiu, e que é considerado até hoje uma lenda no meio cinematográfico. Landau interpreta o ator Béla Lugosi, que ficou mundialmente conhecido por fazer “Drácula” de 1931. No longa “Ed Wood”, Landau mostra a imponência do húngaro de fala forte nos últimos estágios de sua carreira – que começou em 1917 e terminou em 1956.

11

O longa mostra a comovente relação de Iris Murdoch, escritora britânica e filósofa, com John Bayley, crítico literário e escritor, durante os mais de 40 anos de casamento. Broadbent mostra como Bayley lidou com o desenvolvimento da doença de Alzheimer de sua mulher, que aos poucos teve sua mente deteriora pelos vários estágios da terrível doença.

12

O longa conhecido por ser um “metafilm”, uma história sobre sua própria produção, é repleto de autorreferências e pessoas reais. Porém, “Adaptação” cria uma trama quase toda ficcional fortalecida em fatos ou momentos reais. O ator Chris Cooper interpreta o real John Laroche, um americano horticultor – a história verdadeira: ele foi preso por suposta caça furtiva de orquídeas, enquanto trabalhava para os Seminole na Flórida. O julgamento subsequente fez com que Susan Orlean (interpretada por Meryl Streep no filme) escrevesse o livro “The Orchid Thief“.

13

Bale se modificou radicalmente em aparência para interpretar Dicky Eklund, um ex-boxeador que após perder uma luta televisionada acaba se entregando ao vício das drogas. Bale, que tem uma atuação espetacular, consegue reproduzir trejeitos e passar a exata psicologia do personagem – o ator teve a chance de se relacionar de perto com o verdadeiro Dicky.

14

Christopher Plummer, o último vencedor da lista, interpreta Hal Fields personagem escrito pelo diretor Mike Mills, que se baseou em suas memórias quando o seu pai aos 75 anos revelou que era gay. Com uma atuação primorosa, Pulmmer mostra toda a descoberta de seu personagem para esse novo mundo. Aliás, com a vitória no Oscar, Plummer tornou-se o ator mais velho a levar um Oscar competitivo, aos 82 anos, ultrapassando Jessica Tandy.

 

Autor: Tags:

Nenhum comentário, seja o primeiro.

Os comentários do texto estão encerrados.